Agenda

Dezembro 2017



EVENTOS

28.º Simpósio Anual sobre Cultura, Língua e Literatura Hispânica e Luso-Brasileira

O Departamento de Espanhol e Português da Universidade de Arizona (EUA) realiza o seu 28.º Simpósio Anual sobre Cultura, Língua e Literatura Hispânica e Luso-Brasileira, que terá lugar em Tucson, Arizona, subordinado ao título: "Periphery at the Center".
Submissão de propostas até dia 15 de dezembro. 
Mais informações: http://spanish.arizona.edu/graduate/seminar.
Para dúvidas e outras questões, contactar: spanport-symposium@email.arizona.edu.

56º Congresso Internacional de Americanistas
O 56º Congresso Internacional de Americanistas (ICA) acontece na Universidade de Salamanca de 15 a 20 de julho de 2018. Sob o lema “Universalidade e particularismo nas Américas”, esta edição do ICA chama à reflexão sobre a dialética entre a universidade e os particularismos na produção do conhecimento, um diálogo no qual a necessidade de conhecer os particularismos dos fenômenos sociais, políticos, artísticos e culturais obriga a formular novas hipóteses que enriquecem e reformulam as grandes teorias gerais das ciências e humanidades. 
Com um caráter interdisciplinar e inclusivo, o ICA reúne pesquisadores que estudam o continente americano, desde o Alaska até a Terra do Fogo, incluindo o território do Caribe, a partir da análise de sua política, economia, cultura, línguas, história e pré-história. O lema do congresso menciona explicitamente o território do Caribe, ao considerar que frequentemente não lhe foi dada a atenção que merece. Desse modo, o Comitê Organizador convida-lhes a apresentar suas propostas e participar na análise e na reflexão sobre as especificidades das Américas e do Caribe com o objetivo de enriquecer as grandes teorias gerais.
Inscrições para apresentação de trabalhos até 20/10/2017.
Mais informações na página do 56º Congresso Internacional de Americanistas.

I Congresso Nacional Mulher, Literatura e Sociedade
Período: 13 a 16 de março de 2018
Local: Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Recife.
Inscrições: até 20 de novembro de 2017
A primeira edição do evento será uma homenagem à escritora Luzilá Gonçalves, que foi responsável pelo florescimento dos estudos da crítica literária feminista na instituição. Tendo como tema Imagens da Mulher no Ocidente, o evento se propõe a reinserir a instituição no circuito de pesquisas sobre literatura e gênero.
O evento tem por objetivo analisar como as identidades femininas foram construídas ao longo da história ocidental.O foco é discutir como tais construções afetaram a maneira como a mulher escrevia sobre si sob o peso do patriarcado, como escritoras romperam tais barreiras e apresentaram novas formas de se dizer mulher, como as lésbicas se inserem neste espaço, além das negras e indígenas.
Eixos Temáticos: Crítica Literária Feminina - Literatura Brasileira de autoria feminina -
Literaturas Estrangeiras de autoria feminina - Representações da mulher na literatura
Mais informações na página do I Congresso Nacional Mulher, Literatura e Sociedade e através do e-mail mulherliteraturaesociedade@gmail.com.

I Congresso Internacional de Literatura Brasileira Nélida Piñon en la República de los Sueños
Com motivo da celebração do VIII Centenário da Universidade de Salamanca, o Centro de Estudos Brasileiros, em colaboração com a Academia Brasileira de Letras, organiza o I Congresso Internacional de Literatura Brasileira Nélida Piñon en la República de los Sueños, que se realizará de 12 a 14 de novembro de 2018, na Hospedería Fonseca.
O Congresso, dirigido pela Prof.ª Ascensión Rivas Hernández, do Departamento de Língua Espanhola da Universidade de Salamanca, é o desdobramento das Jornadas Literárias que o CEB celebra, anualmente, desde 2009, sempre dedicadas a importantes nomes da literatura brasileira. Estas jornadas estiveram dedicadas a escritores como Machado de Assis, Jorge Amado, Guimarães Rosa, João Cabral de Mello Neto, Lygia Fagundes Telles, Manuel Bandeira e Ferreira Gullar.
As pessoas interessadas em apresentar uma comunicação no congresso, podem enviar as propostas até 08 de abril de 2018, resumo com até 120 palavras, ao e-mail literaturabrasileira@usal.es. O Comitê Científico decidirá sobre a aprovação das comunicações com a maior brevidade possível.
Os autores das propostas aprovadas têm até 13 de maio para apresentar o texto completo da comunicação. Para publicar nas atas do congresso é imprescindível realizar a inscrição e defender oralmente a comunicação.
A inscrição é de 80 euros para comunicantes e 60 euros para estudantes, com ou sem comunicação. Os estudantes deverão enviar a literaturabrasileira@usal.es o certificado ou matrícula em sua instituição acadêmica de origem para comprovação, com o justificante de pagamento. As taxas de inscrição, que dão direito ao recebimento de certificados e/ou diplomas, são individuais; nos casos de comunicações apresentadas por mais de um autor(a) ou por um grupo de pesquisa, cada autor(a) ou membro do grupo deverá pagar as taxas e matrícula correspondentes. O prazo de matrícula está aberto até  30 de agosto de 2018 e se realiza exclusivamente online no link que será indicado em breve no site do CEB (www.cebusal.es).



9º Colóquio do Polo de Pesquisas Luso-Brasileiras
“Relações luso-brasileiras: imagens e imaginários”
Nos dias 3, 4 e 5 de setembro de 2018, ocorrerá o 9º Colóquio do PPLB, sob o tema “Relações luso-brasileiras: imagens e imaginários”, para o qual convidamos especialistas das áreas envolvidas com currículo sedimentado e comprovada contribuição investigativa. Nesta edição, o interesse é motivar os participantes a pensarem como se configuraram imaginários em torno das ideias de brasilidade e portugalidade e como tais ideias se cruzaram para constituírem modos de estar na cultura de língua portuguesa. O tema, necessariamente amplo e diversificado, provoca a discussão de praticas e processos simbólicos, ideológicos e pragmáticos sobre Portugal e Brasil, em suas múltiplas relações ao longo dos séculos. Seja no campo da Literatura ou Artes em geral, História, Filosofia, Sociologia e outros campos de saber, os investigadores podem pensar configurações imagéticas e imaginários sociais que vêm, no passado ou contemporaneamente, marcando as culturas portuguesa e brasileira. Por isso, as linhas de abordagem buscam possibilitar um leque aberto de opções de reflexão sob diversos aspectos que unem ou separam essas duas culturas com tantos pontos em comum a partir da língua portuguesa. A abordagem teórica que poderá sustentar as propostas de estudos também é múltipla considerando o que muito já se produziu e se continua a produzir sobre imaginário e imagem em diversos domínios e em diálogos inter e multidisciplinares, mas destacamos o interesse numa concepção de imaginário social que lança perguntas e formula algumas respostas para os impasses que o mundo luso-brasileiro vem atravessando na contemporaneidade.
Os participantes com trabalho a ser exposto deverão determinar com qual linha temática sua pesquisa se relaciona, considerando que são bem-vindas todas as pesquisas que tratem da das relações luso-brasileiras que se firmam ao longo de quase cinco séculos. Assim, temos:
·         a produção estética luso-brasileira;
·         a discussão política das relações luso-brasileiras;
·         imagens de nação, imagens de sujeitos;
·         invenção, desconstrução e circulação de imaginários;
·         crítica das culturas de língua portuguesa;
·         geografias da emoção: paisagens em movimento.

Propostas de comunicações, de 15 linhas (TNR12, espaço 1, margens de 3 cm.) serão aceitas, para avaliação do Comitê Científico de 05 de outubro de 2017 a 30 de janeiro de 2018.
Mais informações:
http://www.realgabinete.com.br/portalweb/CentrodeEstudos/PolodePesquisaPPLB/Col%C3%B3quiosdoPPLB.aspx

Diálogos XV: The graduate student research conference in Hispanic & Lusophone Linguistics, Literature and Culture
 The XV interdisciplinary Diálogos conference, organized by the Graduate Student Advisory Committee (GSAC) of the Spanish and Portuguese Department at Indiana University- Bloomington, will be held on March 2-3, 2018. We are seeking original research in literature on a variety of topics including but not limited to: literary, political, and cultural theory, biopolitics, religion, film, gender studies, indigenous and first-peoples studies, as well as Trans-Atlantic, African, Peninsular, and Latin American perspectives. Submissions and presentations may be in English, Spanish, Portuguese, and Catalan.
Please submit an anonymous 250-word abstract with a presentation and/or panel title by January 1 via e-mail to gsac@indiana.edu. All personal information should be included in the body of the email message and should include your name, email, institution address, telephone number (office or home), and title of your presentation. Submissions of panels of three or four presenters organized around a common theme are encouraged. For panels, abstracts for the panel as well as all individual papers must be submitted. Individual presentation time should not exceed twenty minutes. Please notify us if you require audiovisual equipment such as laptops, projector, or speakers. There is a $20 registration fee payable upon acceptance of your proposal.
SUBMISSION DEADLINE: January 1, 2018




CHAMADAS PARA PUBLICAÇÃO

Gragoatá 45
Tema: Literatura e Democracia
Organizadores: Luis Maffei (UFF) e Phillip Rotwell (University of Oxford)

Ementa: A literatura sempre se caracterizou por ser uma prática política, desde sua antiga procura pela criação de comunidades linguísticas e afetivas até sua capacidade de problematizar os mais diversos modelos de opressão humana. Como exercício de rebeldia e divergência, a literatura, mesmo em muitos exemplares que não se apresentam com engajamento político evidente, cria o que Jacques Rancière entende como a superação de hierarquias reprodutoras de modelos opressivos. A literatura, não raro, conspira por uma efetiva igualdade, não enquanto apagamento de diferenças, mas no sentido da construção, por ela própria, de um regime democrático. Para este número, propomos a reflexão sobre obras literárias que se assumam como gestos construtores da democracia ‒ ou o contrário, pois há exemplos de obras, em diversos momentos históricos, que flertam com a suspensão do democrático ou com a manutenção de um status quo ‒, seja em relação a algum contexto político imediatamente opressor, seja no estabelecimento mais geral de estéticas de emancipação. Em tal sentido, serão bem-vindos artigos que interroguem as relações entre literatura e política como formas de um diálogo que supõe convergência, mas também o direito à divergência, ao debate, à promoção do deslocamento, à interposição de diversas poéticas de ruptura, à crítica e à crítica da crítica.
Submissões até 31 de dezembro de 2017.
Publicação prevista para abril de 2018.


Revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea
O número 56 trará uma seção temática sobre Lygia Fagundes Telles
Produzindo, quase sem intervalos, desde o final dos anos 1930, Lygia Fagundes Telles é autora de uma obra ímpar, que alia o domínio da escrita à sensibilidade para com as transformações nas relações de gênero, de geração e familiares, bem como para com os mecanismos de exclusão social e política no Brasil. Neste número, a revista Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea abre espaço para a reflexão crítica sobre sua obra. Assim, este dossiê pretende reunir artigos que tenham como foco seus livros ou questões específicas relacionadas à sua produção, mas também textos que ofereçam comparações de sua obra com o trabalho de outras/os autoras/es ou mesmo com outras expressões artísticas.
Dossiê proposto por Regina Dalcastagnè (UnB).
O prazo final para o envio de artigos para a seção temática é 28 de fevereiro de 2018.
A revista conta também com uma seção de tema livre, onde são publicados artigos de diversas abordagens sobre a literatura brasileira contemporânea. Há ainda espaço para resenhas de obras de ficção, poesia, crítica literária e teoria literária publicadas nos últimos 24 meses.
As colaborações para a seção de tema livre são recebidas em fluxo contínuo.
As normas para publicação estão disponíveis em: https://goo.gl/lpWufc

Miscelânea
Publicação do Programa de Pós-Graduação em Letras da Faculdade de Ciências e Letras de Assis (UNESP). Esse volume será organizado pelos doutores Fabiano Rodrigo da Silva Santos e Guacira Marcondes Machado Leite sob o tema geral de “Poéticas da negatividade: A melancolia, o mal e o niilismo na literatura moderna (da segunda metade do século XVIII e a primeira metade do século XX)”.
Prazo para envio: 31 de dezembro de 2017

Revista Alere
Chamada aberta para recebimento de artigos para o número 17/2018 com o tema “Sob a derme da palavra, o gozo: Literatura e Erotismo em questão”. As pesquisas sobre sexualidade vêm obtendo considerável atenção dentro dos estudos literários, sendo perspectivadas para além do pórtico temático, engendrando forte tensão por entre as plataformas de diversos gêneros literários. Na contemporaneidade, o surgimento de novas teorias e conceitos têm permitido ao crítico uma maior abertura para possibilidades analíticas, ora por áreas que abarquem a teoria queer, ora por vinhedos de sensibilidade interpretativa que contemplem o fenômeno textual do erotismo a partir da imaginação. As textualizações do sexo, mais especificamente a verbalização do desejo em vias de consumação, vêm sendo representada com pungência nas literaturas de língua portuguesa, com escritores que compreendem a imaginação erótica como elemento estético e social dentro da economia do texto literário. Nesta perspectiva, este dossiê temático da Revista Álere acolherá trabalhos que reflitam sobre os (des)caminhos que envolvem a manifestação do Erotismo na literatura, independente da posição crítico-teórica e período literário do corpus, privilegiando análises que dialoguem e contribuam significativamente para essa área de concentração de estudos, ainda, considerada marginal.
Prazo para envio: 22 de junho de 2018
O artigo deverá ser encaminhado para walnicev@gmail.com

Revista Aletria
Estudo dos gêneros literários na Modernidade, em suas manifestações narrativas, poéticas e dramáticas. Tendo como objeto as reflexões teóricas sobre os gêneros literários e suas diversas mutações, apropriações, fronteiras e limites a partir da Modernidade, a chamada contempla artigos sobre:
– Formas narrativas híbridas;
– Manifestações poéticas modernas e contemporâneas;
– O romance e suas transformações;
– Configurações dramáticas.
Organização: Constantino Luz de Medeiros (UFMG) e Joana Muylaert de Araújo (UFU)
Prazo para envio: 20 de dezembro de 2017.

Texto Poético
Dossiê João Cabral de Melo Neto
João Cabral de Melo Neto Cabral se posicionou de modo ostensivo e negativo diante de uma tradição lírica fundada na subjetividade do poeta e criou uma das obras poéticas mais originais da língua portuguesa e que melhor e mais tensamente dialogam com essa tradição. Sempre o primeiro leitor dele mesmo, como todo grande criador, Cabral terminou estabelecendo o modo de a sua poesia ser lida. Esse modo de ler foi seguido por parte considerável da crítica e terminou por se transformar, pela força da repetição, em verdadeiros truísmos, os quais, se não são inexatos, não dão conta das tensões e contradições que estão na base da poesia do autor. A proposta deste dossiê é acolher trabalhos que proponham novas perspectivas de leitura para a poesia de Cabral, seja enfocando um aspecto específico dessa poesia, seja examinando-a em clave comparativa com outro/s poeta/s ou outras artes.
A Revista aceita também trabalhos sobre outros temas concernentes aos estudos de poesia para figurar na seção Vária.
Os artigos devem ser submetidos no próprio site da Texto Poético: http://revistatextopoetico.com.br/index.php/rtp
Prazo para envio: de 30 de setembro de 2017 a 30 de janeiro de 2018

Revista Alea
Programa de Pós-graduação em Letras Neolatinas
Universidade Federal do Rio de Janeiro
Vol. 20/2 (maio, junho, julho, agosto/2018)
Tema: O desencanto noir: percursos atuais da literatura neopolicial
Editores Convidados:
Emilio J. Gallardo-Saborido (Universidade de Sevilha)
Jesús Gómez-de-Tejada (Universidade de Sevilha)
Prazo de envio: de 16 de setembro de 2017 a 15 de janeiro de 2018.
A literatura neopolicial, que vem se desenvolvendo dos meados do século XX até os dias de hoje, revolve o lixo social, expondo as podridões nacionais, que competem em vergonhas e baixezas. A ordem lumpen (proletária e, sobretudo, oligárquica) se mostra como um obstáculo contínuo às forças da civilização ou, pelo menos, ao seu acomodamento. O desencanto do gênero noir é mais uma expressão dessas sombras de nosso presente. Neste volume, propomos examinar diversas geografias literárias para comprovar como o neopolicial se converteu num espaço diegético implacável nas letras das últimas décadas. Por isso, são bem-vindos trabalhos de perfil teórico, análises literárias de textos e autores concretos, estudos comparativos, estudos transmidiáticos etc. Genericamente, admitem-se aproximações diversas ao redor da narrativa neopolicial (romance, conto, novela gráfica, séries televisivas, cinema, teatro).


Revista Guavira
CHAMADA Nº 27 (Janeiro/Abril de 2018) Dossiê: Representações do religioso na literatura e no cinema
A GUAVIRA LETRAS, revista do Programa de Mestrado e Doutorado em Letras da UFMS, Câmpus de Três Lagoas, faz chamada para seu número 27 do 1º semestre de 2018.
Prazo para submissão: 10 de janeiro de 2018
As submissões devem ser feitas pelo portal da GUAVIRA LETRAS, em <www.guaviraletras.ufms.br >.
Editores Responsáveis: Rauer Ribeiro Rodrigues (UFMS) e Luciano Tosta (University of Kansas, EUA)
Título do Dossiê: Representações do religioso na literatura e no cinema
Tema: Literatura / Cinema / Religiosidade
Ementa: A religião é um dos elementos primordiais da maioria das sociedades. Como tal, representações de religiosidade sempre marcaram os textos literários. Há vários estudos sobre a representação da religião na obra de escritores brasileiros, tais como Jorge Amado, Machado de Assis, Luiz Vilela e Adélia Prado, assim como no trabalho de escritores de outras nacionalidades, como Emily Dickinson, Franz Kafka, Aldous Huxley, Dostoiévski, Thomas Mann e Ítalo Calvino. Da mesma forma, é comum analisar-se aspectos literários de textos sagrados como a Bíblia. A proposta deste Dossiê e reunir artigos que explorem representações do religioso na literatura e no cinema, assim como estudos de cunho literário de textos religiosos.
Abordagens: O sagrado, Sincretismo religioso, Religião e colonialismo, Religião e nação, Religião e (ideologia de) gênero, Representações de Deus(es), Religião e tabu, As sagradas escrituras (Bíblia, Torá, Alcorão, etc), Religiosidades indígenas, Fé e preconceito
http://websensors.net.br/seer/index.php/guavira

Revista LETRAS
Letras 57
Dossiê Literatura(s) contemporânea(s): a dinâmica do afeto 
A revista LETRAS é um periódico semestral, da área de Letras, Qualis B1, publicado desde 1991 e editado pelo Programa de Pós-Graduação em Letras, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Letras  está recebendo artigos e resenhas para publicação o dia 15 de março de 2018. As normas para a submissão de textos estão disponíveis em: https://periodicos.ufsm.br/letras/about/submissions#authorGuidelines.
O dossiê propõe uma reflexão sobre as potencialidades afetivas da literatura contemporânea. A discussão sobre os afetos encontrou terreno fértil nas ciências humanas e sociais no início deste milênio, impulsionando a denominada virada afetiva, cujo desafio teórico é o de pensar as transversalidades do afeto situadas entre as ações e as paixões (CLOUGH, 2007). Deleuze e Guattari (1991), em Qu'est-ce que la philosophie?,  entendem o afeto como um devir sensível, não humano, como um “ato pelo qual algo ou alguém não para de devir-outro (continuando a ser o que é)” (1992, p. 229). Segundo essa perspectiva, o potencial mobilizador do afeto projeta-se para além das corporalidades e das experiências individuais e pode ser pensado não apenas em relação às diversas formas de “pertencimento”, mas também relacionado à ideia de comunidade e às discussões referentes à ampliação dos regimes estéticos. Nesse sentido, o afeto é uma potência, um caminho para o(s) outro(s), uma forma de produção, ou ainda, uma estratégia capaz de renovar atuações e comprometimentos, sejam eles artísticos, culturais, sociais e/ou políticos. O afeto não só participa de experiências estéticas pungentes, mas também mobiliza a formulação de laços de solidariedade, os quais contribuem para a construção de comunidades – mesmo que provisórias. Assim, a proposta desta chamada é a de reunir ensaios de pesquisadorxs que discutam os seguintes temas:
a) afetividades na literatura contemporânea;
b) afeto e comunidade(s);
c) afeto e experiência estética.
Questão cara à contemporaneidade e amplamente discutida no âmbito das ciências humanas e sociais, a problemática afetiva e as suas implicações são ainda pouco exploradas pela crítica literária. O afeto, que atravessa o literário da criação textual à circulação do livro; que permeia a leitura e que, frequentemente, adentra as páginas/telas, é pleno de possibilidades mobilizadoras, as quais contrariam a (suposta) apatia associada ao pós-moderno. Parte de experiências estéticas pungentes, o afeto também contribui para o estabelecimento de laços de solidariedade, que são fundamentais para construção de comunidades (ainda que circunstanciais). A dinâmica afetiva, portanto, é um importante ponto de partida para se (re)pensar a produção literária recente, movida por inquietações em torno de sua própria relevância e atravessada por reivindicações constantemente renovadas.         
Prazo de submissão: 15 de março de 2018 
Organizadores: Renata Farias de Felippe (UFSM), Luciene de Almeida Azevedo (UFBA).

Letras 59
Título: Corpo, trauma e memória: desfazendo gêneros na literatura e nas artes das Américas
Ementa: Na década de 1970 do século passado, o advento da crítica feminista foi considerado pela academia como algo nefasto, uma onda de militância ideológica que veio para destruir as artes e a literatura, menosprezando a realização estética dos textos e reduzindo sua importância e valor à política. Contudo, já nos anos 1980, a crítica feminista foi reconhecida por teóricos do calibre de Jonathan Culler e Terry Eagleton como uma das mais poderosas forças de renovação da crítica contemporânea. Desde então, a crítica feminista tem transformado, do Ocidente ao Oriente, a forma como lemos e pensamos as artes e a literatura, a partir de questionamentos como:
- Qual a relação da leitura e da literatura com o gênero?
- O que a leitura e a interpretação das artes têm a ver com gênero?
- As mulheres leem de forma diferente?
- O que as artes visuais, o teatro, a música e a literatura têm a nos dizer sobre as relações entre códigos de gênero e normas sociais, discriminação e intervenção crítica?
- Qual a relação entre textualidade, iconicidade, poder e conhecimento?

Hoje a crítica feminista configura um campo amplo e heterogêneo de estudos que incorpora muitas vertentes teóricas e abordagens, campo esse que se revitaliza em seus diálogos com os estudos pós-coloniais, os estudos culturais e a desconstrução. Indo mais além, foi a partir das perquirições das teorias feministas que emergiram os estudos de masculinidades (em especial aqueles que dedicam atenção às masculinidades subalternizadas), os estudos de gênero, os estudos gays e lésbic@s e a teoria queer, caminhos que possibilitaram simultaneamente o questionamento dos cânones estéticos e das premissas heteronormativas que pautam o sistema valorativo nos estudos sobre arte, literatura e cultura. As teorizações feministas, nas últimas décadas, colaboraram para a estruturação de uma nova maneira de se produzir conhecimento, colaborando mesmo para uma reconfiguração deste campo epistêmico. Prova disso são trabalhos de reconhecido mérito no campo literário, tais como The Madwoman in The Attic, de Sandra Gilbert e Susan Gubar (1979). Na academia brasileira, vale mencionar os três alentados volumes da antologia Escritoras Brasileiras do Século XIX (1999, 2003 e 2009, organizados por Zahidé Lupinacci Muzart). No campo das artes, merece destaque o volume Feminism – Art – Theories, organizado por Hilary Robinson (2001), bem como Feminist Aesthetics in Music, de Sally MacArthur (2001). A ênfase nas relações literatura/artes/cultura, alimentada pelo enfoque interdisciplinar, possibilita a emergência de categorias analíticas da diferença como gênero, raça, classe e sexualidade na investigação de representações identitárias em sua dimensão estética e em sua projeção política. Nessa direção, ganha preeminência a questão do outro nas vozes dissonantes de artistas, escritores e musicistas, o que permite identificar as especificidades históricas de modos de subjetividade até então invisíveis nas formações discursivas da cultura etnocêntrica, patriarcal e heteronormativa. Interessam aqui, particularmente, as experimentações e o questionamento realizados no campo dos estudos literários pela teoria queer; a crítica aos regimes de normalização é particularmente produtiva para o questionamento do status de literariedade como característica imanente ao texto literário.
Prazo para envio: 15 de março de 2019.

Terra Roxa e Outras Terras
A revista Terra Roxa e outras Terras está reunindo artigos que explorem o tema “Estudos sobre Poesia Portuguesa desde Fernando Pessoa” para o seu volume 36, sob a responsabilidade de Silvio Chesar dos Santos Alves (UEL) e Izabela Guimarães Guerra Leal (UFPA).
O prazo máximo de submissão é o dia 30 de março de 2018.
Publicação do Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Londrina.  ISSN: 1678-2054    QUALIS B1

Raído
Do fantástico e seus arredores. Narrativas do insólito em literaturas de Língua Portuguesa.
O volume 12, número 29 (1º semestre de 2018) da revista Raído pretende reunir estudos sobre o fantástico na literatura em Língua Portuguesa. A fortuna crítica do fantástico é ampla, assim como sua conceituação. Se para os organizadores da célebre Antologia da literatura fantástica (1940), Jorge Luís Borges, Adolfo Bioy Casares e Silvina Ocampo, são consideradas fantásticas narrativas tão díspares quanto como as de Júlio Cortázar, Guy de Maupassant e Chuang Tzu, para outros teóricos, como Tzvetan Todorov, o fantástico é um subgênero narrativo nascido em condições bastante específicas, no final do século XVIII, e que não resistiu à chegada do século XX. Edgar Allan Poe, E. T. A. Hoffmann, Prosper Merimée são representantes dessa definição mais restritiva de fantástico. Mas e quanto ao século XX, e autores como Franz Kafka e Murilo Rubião? Ou Gabriel Garcia Márquez e Alejo Carpentier? Faz sentido pensar o conceito de fantástico para esses autores? Ou seria mais adequado alinhá-los a conceitos específicos, como os de neofantástico (cunhado por Jaime Alazraki para definir narrativas como as de Júlio Cortázar) ou realismo maravilhoso (usado por Irlemar Chiampi para a produção do boom do romance latino americano)? Alguns rótulos, como os do realismo mágico e realismo fantástico,terminaram por se banalizar, devido ao seu uso indiscriminado. Faz-se necessária, então, uma revisão teórica? O realismo maravilhoso deve ser pensado como um desdobramento da tradição do fantástico ou como um novo subgênero, com seus próprios temas e especificidades? Essas são apenas algumas questões pressupostas pelo estudo do tema do fantástico na literatura. Assim, a proposta desse número da Raído é reunir estudos sobre o fantástico e conceitos afins – maravilhoso, realismo mágico, neofantastico, e mesmo ficção científica – aplicados a narrativas de Língua Portuguesa. Daí a opção pelo termo “insólito” no título deste dossiê, que se pretende mais abrangente. Deste modo, estamos diante de um vastíssimo corpus – de Álvares de Azevedo a José J. Veiga, de Mia Couto a José Saramago --- e de um amplo repertório teórico – Irene Bessière, David Roas, Remo Ceserani, Filipe Furtado, Alejo Carpentier, Irlemar Chiampi, entre tantos outros.
 Organizadores: Gregório Foganholi Dantas (UFGD) e Luis Fernando Prado Telles (Unifesp)
Prazo para envio dos artigos: 21 de março de 2018.
Publicação prevista para junho de 2018.
Mais informações: http://ojs.ufgd.edu.br/index.php/Raido/announcement/view/118

Revista MOARA
dossiê temático “Pesquisas com sociedades indígenas hoje”, organizado pelos professores Gessiane Lobato Picanço (UFPA) e Pirjo Kristiina Virtanen (Universidade de Helsinque, Finlândia). A publicação é prevista para o No. 50, 2º semestre de 2018, e o prazo para submissão dos artigos é 30 de março de 2018.
Serão aceitos artigos escritos em português, inglês, francês ou espanhol, que estejam em conformidade com as normas de publicação da revista, disponíveis em: http://www.periodicos.ufpa.br/index.php/…/about/submissions…, e que atendam à seguinte proposta:
O dossiê “Pesquisas com sociedades indígenas hoje” busca reunir diferentes visões e pesquisas que vêm sendo conduzidas com as comunidades indígenas do Brasil. Os trabalhos submetidos podem abordar a pesquisa linguística e de áreas afins, como a educacional, a sociológica, a antropológica, a histórica, entre outras, que utilizam métodos colaborativos ou de co-produção e contribuam para as relações mais iguais na pesquisa. Além disso, o conhecimento e a divulgação da diversidade cultural e linguística brasileira e o impacto de pesquisa na sociedade envolvente podem ser tratados nos trabalhos. Serão bem-vindos estudos voltados para os desafios e transformações linguísticas e socioculturais que essas sociedades enfrentam, podendo leva-las ao declínio ou à perda, mas que, em muitos casos, encontram uma forma de alteração e resistência.
A chamada é aberta a doutores, além de mestres e discentes de pós-graduação strictu sensu em co-autoria com doutores e autores indígenas.
Os artigos deverão ser submetidos até 30 de março de 2018.

O Eixo e a Roda
Dossiê "Diálogo epistolar na Literatura Brasileira"
O volume 27, nº 1 de O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, a ser publicado no segundo semestre de 2018, reunirá estudos que tratem dos usos das cartas como espaço de reflexão crítica e/ou teórica no âmbito da Literatura Brasileira. Serão aceitos artigos que apresentem, problematizem ou analisem o diálogo epistolar estabelecido entre nomes da vida literária do Brasil, ou que a ela se vinculem. Serão aceitos, também, textos que investiguem questões relacionadas à produção literária brasileira debatidas por meio da troca de correspondências. A revista acolherá, ainda, na seção Vária, artigos que analisem temas diversos da Literatura Brasileira e resenhas de livros de ficção, poesia ou crítica publicados nos últimos três anos. O prazo para o envio de colaborações é até 01 de março de 2018.

Dossiê: “Literatura brasileira e trabalho”
O volume 27, nº 2 de O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, a ser publicado no segundo semestre de 2018, será dedicado ao tema do trabalho na literatura brasileira. A revista receberá artigos dedicados à reflexão sobre obras que configuram ou problematizam as relações de trabalho historicamente constituídas ou que consideram o trabalho como atividade produtora da subjetividade e da linguagem. Poderão ser enviados artigos que tratem tanto da literatura brasileira, como do ensaísmo e ainda letras de canção. A revista acolherá, ainda, na seção Vária, artigos que analisem temas diversos da literatura brasileira e resenhas de livros de ficção, poesia ou crítica publicados nos últimos três anos. O prazo para o envio de colaborações é até 01 de abril de 2018.


FronteiraZ
Edição 20: IMAGINAÇÃO, MEMÓRIA, FANTASMAS NA LITERATURA E NAS ARTES
O sentido estético, ético e político de resistência em variadas formas literárias e artísticas de presentificação de resíduos incomunicáveis. Memória, esquecimento e o (não) lugar do irrepresentável. Testemunho e o inenarrável. A Imaterialidade e o fantasmático na literatura, nas artes e na história. Perspectivas diversas sobre o sentido que os espectros-fantasmas assumem na modernidade. Formas narrativas e poéticas contemporâneas em fluxo e passagem. Categorias evanescentes no jogo da alteridade: o sujeito lírico dentro e fora de si; o narrador, o autor, o leitor.
Prazo para envio de artigos para submissão: até 20 de fevereiro de 2018.

Edição 21: POÉTICA DA ALTERIDADE
A enunciação literária como escritura da alteridade. O outro como produtor, leitor/receptor e como objeto da/na literatura. Transformações da inscrição do outro no percurso da história literária. O fenômeno da dicotomia eu/outro na criação literária. O jogo da alteridade na voz narrativa. Alteridade, identidade e autoridade: relações possíveis no universo do literário. Eu e Tu, nunca Ele: o embate da Outredade. Ética e alteridade. Alteridade e desejo. Epifania como revelação do outro em mim. Alteridade e transcendência.
Prazo para envio de artigos para submissão: até  20 de maio de 2018.
 As seções de “Ensaios” e de “Resenhas” têm fluxo contínuo independentemente da temática em pauta para a seção de “Artigos”. Para mais detalhes, consultar as normas de edição em “Diretrizes para autores” no endereço: http://revistas.pucsp.br/fronteiraz

Web Revista Linguagem Educação e Memória
Chamada para publicação - Nº 14 , v.1, 2018 - Caio Fernando Abreu, 70 anos: uma homenagem
No dia 12 de setembro de 2018 Caio Fernando Abreu completaria 70 anos de vida. Diante de uma data tão significativa, a melhor maneira de homenageá-lo será falando sobre sua obra. Caio F. – como costumava assinar suas cartas –, deixou uma relevante contribuição para a literatura brasileira, com livros traduzidos na Europa, além de ser considerado um ícone da contracultura pela geração que viveu os anos de chumbo da ditadura militar no Brasil. Sua morte prematura, em 1996, não significou seu esquecimento para o mundo das letras. Pelo contrário, deu início à redescoberta de sua obra, atraindo novos leitores e instigando pesquisadores a analisar e descobrir a riqueza de sua literatura.
A proposta deste número é, como já se evidenciou no título, fazer uma justa homenagem a Caio Fernando Abreu pelos seus 70 anos. Nesse sentido, serão muito bem acolhidos artigos que discutam a importância de sua obra para a literatura brasileira, com análises e reflexões que tragam contribuições para sua fortuna crítica. Os textos devem tratar de qualquer um dos gêneros literários cultivados pelo autor, apresentando aos leitores novas perspectivas de leitura para sua obra.
Para além do dossiê temático a Web Revista Linguagem Educação e Memória também acolhe para avaliação artigos, ensaios e resenhas nas diversas áreas dos estudos literários, em caráter de tema livre.
As contribuições devem ser submetidas na página da Web Revista Linguagem Educação e Memória: http://periodicosonline.uems.br/index.php/WRLEM/index
Data limite para submissão no sistema: 15/05/2018

Palimpsesto
A revista, de iniciativa dos alunos do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERJ (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), é qualificada como nível B2 pelo QUALIS da CAPES e receberá textos inéditos para três edições, como segue:
O tema para o Dossiê da edição de 2018/1 (Linguística, Língua Portuguesa e Literaturas: número 26) será “Linguística e Literatura e(m) diálogo: intersecções”.
Para o número, serão aceitos trabalhos que façam uma interlocução entre os estudos linguísticos – compreendendo, também, os estudos de língua portuguesa – e os literários, de forma a estabelecer diálogo entre as áreas, tão comumente – e de maneira equivocada – vistas como “separadas” entre si. Da mesma maneira, são interessantes os trabalhos em que tais áreas dialoguem com outras ciências, como, por exemplo, a psicologia, a filosofia ou a história. Buscamos propostas que possam integrar os diferentes estudos, numa proposta de efetivo diálogo, de interseção. Submissões até 15/03/2018

O tema para o Dossiê da edição de 2018/2 (Literatura: número 27) será “Patrimônio cultural e memória literária”.
Poucas coisas são tão particularmente afetivas quanto as próprias memórias de um indivíduo, de um povo ou grupo. Da mesma maneira, o patrimônio cultural de cada pessoa, grupo social ou sociedade é um elemento distintivo e identitário. Patrimônio cultural, memória e literatura fazem parte, por assim dizer, de um bem imaterial imensurável.
Para o número 27, buscamos textos que estabeleçam uma interlocução entre os estudos literários e o patrimônio cultural e a memória que eles evocam ou representam. São interessantes propostas que valorizem as mais variadas manifestações culturais e memoriais, tomadas a partir do texto literário ou tendo o texto literário como suporte de divulgação. Submissões até: 31/05/2018
Mais informações: http://www.pgletras.uerj.br/palimpsesto/num24/normas/chamada.htm

RE-UNIR VOL. 5 – ISSN 2594-4916
NÚMERO ATEMÁTICO
RE-UNIR – Revista do Centro de Estudos da Linguagem da Fundação Universidade Federal de Rondônia, previsto para ser publicado em setembro de 2018, encontra-se com sua chamada aberta, no período de 10 de novembro de 2017 a 18 de março de 2018, para receber as contribuições dos interessados em publicar seus textos.
A revista divulga textos acadêmicos apresentados na forma de artigos originais e inéditos, resultantes de pesquisa individual ou coletiva, resenhas críticas de interesse das áreas de Letras e entrevistas com pesquisadores, professores e escritores. Serão aceitos prioritariamente trabalhos de pesquisadores nacionais ou internacionais e estudantes de pós-graduação. Os artigos submetidos devem seguir estritamente as regras disponíveis no portal da Revista RE-UNIR, disponível no link 
http://www.periodicos.unir.br/index.php/…/about/submissions….
A submissão deve ser feita exclusivamente pelo site. Para submeter seu texto, basta cadastrar-se no sistema eletrônico da revista e seguir as diretrizes para autores. Caso haja algum problema com a submissão, envie e-mail para re-unir@unir.br.
Editores: Profa. Dra. Natália Cristine Prado (UNIR) e Prof. Dr. Lucas Martins Gama Khalil (UNIR)

OPINIÃES – REVISTA DOS ALUNOS DE LITERATURA BRASILEIRA
Nº 12. DOSSIÊ: NOS LIMIARES LÍRICOS
A poesia segue desafiando a história literária. Aos esforços de periodização, de agrupamento em escolas e movimentos, aqui e ali escapam nomes e obras – ora por apresentarem desvios em relação a marcos e convenções, ora por abertamente contestar e subverter limites estéticos e sociais vigentes no tempo histórico. O signo poético desloca-se por múltiplos polos de significação, demandando de seu leitor uma escuta atenta ao sensível da palavra. O poema não cede ao desejo de interpretações unívocas, preferindo essa uma zona de indeterminação, seu habitat e natureza: a poesia sabe ser, não ser.
O próximo número da Opiniães – Revista dos Alunos de Literatura Brasileira (Qualis B4), vinculada à Universidade de São Paulo, terá como tema Nos limiares líricos, um dossiê dedicado aos estudos que abordem os momentos limiares da poesia no Brasil, em que o signo poético apresenta-se carregado de tensões – sejam elas estéticas, históricas ou sociais. O limiar alude àquilo que demarca dois espaços, sem no entanto, separá-los completamente. Diferentemente da fronteira – que limita, separa e segrega – o limiar traz em si a ideia de movimento, de zonas de transição graduais ou abruptas, espaço da experimentação, da inflexão, da indecisão e da incerteza.
Serão bem-vindos artigos inéditos de pesquisas relacionadas ao estudo da poesia no Brasil, bem como algum dos seguintes temas:
- Limiares líricos: definições, valores e usos da poesia brasileira;
- Poesia e história: convencionalismo e experimentação, tradição e modernidade;
- Relações entre a poesia, a pintura e/ou as artes plásticas;
- O poema em sala de aula: práticas pedagógicas e leitura de poesia;
- Relações entre a poesia e a música;
- Deslocamentos do cânone: tensões políticas e estéticas;
- Novas e limiares vozes na lírica brasileira;
- A poesia e a cultura popular;
- Vozes dissonantes: despersonalização e novas perspectivas de expressão poética;
- Poesia e novas mídias: o poema no século XXI;
- O poeta e seus impasses;
- Poesia em tempos de catástrofe: poéticas da resistência.
Além dos tópicos acima mencionados, integrantes do dossiê temático Nos limiares líricos¸ a Opiniães possui ainda as seguintes seções: tema livre, voltada para os diferentes debates que permeiam os estudos da literatura brasileira; resenhas, sem restrição à data de publicação da obra; criação literária, destinada a publicação de poemas, contos e crônicas.
A chamada de artigos é destinada a pesquisadores de iniciação científica, mestrado, doutorado e pós-doutorado, vinculados a instituições acadêmicas diversas. A coautoria com orientadores não é requisitada. Temos por princípio que a avaliação por pares, de caráter duplo-cego, é suficiente para garantir a originalidade e qualidade dos artigos que serão publicados. O prazo para submissão se encerra no dia 31 de janeiro de 2018 e a publicação ocorrerá ao final do primeiro semestre. Informações e submissão de trabalhos no site da revista: http://www.revistas.usp.br/opiniaes.

REVISTA TRAVESSIAS
Dossiê: ESCRITURAS FEMININAS À MARGEM: DIÁLOGOS NA AMÉRICA LATINA E NA PENÍNSULA IBÉRICA
Organização: Dra. Gabriela de Lima Grecco (Universidad Autónoma de Madrid) e Dra. Adriana Aparecida de Figueiredo Fiuza (Unioeste)
EMENTA: O dossiê pretende acolher pesquisas que versam sobre as mulheres escritoras e suas representações literárias tanto na Europa - com foco na Península Ibérica - quanto na América Latina, a partir de múltiplas perspectivas, estabelecendo intersecções com outras áreas do conhecimento como as ciências sociais, a história, a filosofia, a psicologia, os estudos da memória, as artes, entre outras. Da mesma maneira, considera-se importante artigos que abordem as obras dessas autoras em relação comparada ou não, examinando os aspectos políticos e estéticos de suas escrituras, dando visibilidade e reconhecimento para estas mulheres. Aceita-se contribuições sobre os seguintes temas: a experiência no exílio, escritoras negras, literatura comparada, escritoras e prêmios literários, escritoras “silenciadas”, escrevendo em um contexto ditatorial, escritoras esquecidas, literatura epistolar, escritas da prisão.
PALAVRAS-CHAVE: Escritura feminina; América Latina, Literatura Comparada.
Submissão: até 01/04/2018.
----------------------------
Dossiê: AS RESSONÂNCIAS DO PENSAMENTO DE ZIZEK PARA ARTE, CULTURA E LITERATURA
Organização: Marisa Corrêa e Silva - UEM
EMENTA: O filósofo esloveno Slavoj Zizek tornou-se muito conhecido no Brasil na última década, embora seu trabalho já fosse lido na Europa e nos EUA desde os anos 1990. Polêmico, realizando releituras de Hegel (que recebem críticas dos hegelianos tradicionais) e de Lacan (que são consideradas impecáveis pelos lacanianos tradicionais), com um estilo peculiar de escrita, provocador, tornou-se uma referência quando se trata de desmistificar o senso comum dentro da Academia. Por exemplo, ele implode as barreiras que se opõem à abordagem de obras “ruins”, “de mero entretenimento”, pois crê que mesmo o objeto mais insignificante pode conter insights preciosos sobre a configuração ideológica de seu contexto de produção. Sua obra tem se revelado aplicável a distintos campos do conhecimento, e este dossiê temático contempla tais influências na Arte, na Cultura e na Literatura".
PALAVRAS-CHAVE: Slavoj Zizek; Arte, Cultura e Literatura, Estudos Contemporâneos.
Submissão: até 01/08/2018.
----------------------------

Dossiê: GÊNERO: REVISITANDO TEORIAS, MOVIMENTANDO ANÁLISES
Organização: Dr. Alexandre Sebastião Ferrari Soares (UNIOESTE), Dra. Dantielli Assumpção Garcia (UNIOESTE) e Dra. Lucília Maria Abrahão e Sousa (FFCLRP-USP)
EMENTA: A noção de gênero tem estado em discussão há muito tempo e a partir de diferentes perspectivas teóricas. Em 1968, em seu livro Sexo e Gênero (1968), o psiquiatra Robert Stoller menciona o conceito de gênero, descrevendo os processos de construção de identidades de gênero através da articulação entre processos sociais, nomeação familiar e questões biológicas. Todavia, ressalta Saffioti (1999) que, embora não houvesse formulado o conceito de gênero, Simone de Beauvoir, já na década de 1950, em sua famosa frase “Não se nasce mulher, torna-se”, lutando contra o essencialismo biológico, indiciou ser a sociedade responsável pela transformação do bebê em mulher ou homem, sendo, desse modo, a precursora do conceito de gênero. No Brasil, esse conceito alastrou-se rapidamente a partir da publicação da tradução do texto de Joan Scott “Gênero: uma categoria útil de análise histórica” (1995). Nele, Scott, por meio da discussão de diferentes correntes (históricas) de pensamento, critica o conceito de patriarcado e define gênero como “um elemento constitutivo de relações sociais baseadas nas diferenças percebidas entre os sexos e como uma forma primária de dar significação às relações de poder” (SCOTT, 1995, p. 86). Também os trabalhos de Butler são associados ao conceito de gênero que, por meio de leitura da performatividade na linguagem, propõe desfazer a dicotomia sexo/gênero. Para a autora (BUTLER, 2008), gênero, enquanto performance, não é nem um conjunto, inscritos no corpo de significados culturais, nem a interpretação de um corpo sexuado, mas um conjunto de normas instituídas, mantidas e repetidas sobre o corpo que geram e tornam a pessoa viável ou inviável. Em uma perspectiva discursiva, de acordo com Orlandi (2017, p. 210), “Por ser considerado um ‘papel’ social, dizem alguns autores que afirmam esta noção, o gênero pode ser construído e desconstruído, ou seja, pode ser entendido como algo mutável e não limitado, como definem as ciências biológicas. Ora, não é bem assim, na perspectiva discursiva. Pois, se não é a ciência biológica, ou o binarismo social (homem-mulher), que nos determina, no funcionamento da ideologia, não é nossa vontade pessoal tampouco que inscreve/define nossos processos de identificação, nem apenas o modo como somos individuados”. Diante desses diferentes posicionamentos e teorizações, o Dossiê Temático Gênero: revisitando teorias, movimentando análises será dedicado a estudos e pesquisas que se ocupem em problematizar e analisar como a noção de gênero constitui-se no interior das Ciências Humanas e Sociais, bem como analisar como as diversas identidades de gêneros são constituídas, reunindo assim um conjunto de reflexões que envolvam modos de constituição, formulação e circulação de sentidos para o(s) gêneros e das subjetividades LGBTTQ e(m) seus movimentos sociais na contemporaneidade.
PALAVRAS-CHAVE: Gêneros; Leitura Performativa; Discurso.
Submissão: até 01/11/2018.


CHAMADAS COM FLUXO CONTÍNUO
       
Veredas – Revista da Associação Internacional de Lusitanistas
A revista aceita artigos inéditos, oriundos de pesquisas originais relacionadas especialmente à literatura. Também é aberta às mais diferentes abordagens teóricos-metodológicas. São recebidas resenhas críticas de livros de teoria, de crítica ou de literatura publicados nos últimos três anos, desde que relacionados ao escopo da revista.
Mais informações: 
http://ojs.lusitanistasail.org/index.php/Veredas/about/submissions#authorGuidelines

Garrafa
Chamada da Revista eletrônica Garrafa do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Literatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro – PPGCL/UFRJ. A Revista é publicada online e dirigida a estudantes de pós-graduação em formação como pesquisadores. A Garrafa recebe contribuições inéditas em português e espanhol: artigos acadêmicos, ensaios, resenhas críticas de dissertações, teses e livros, traduções inéditas e/ou originais e entrevistas. As contribuições serão publicadas após a avaliação favorável feita por até dois leitores anônimos. Os artigos deverão ser enviados em versão .doc ou .docx para o seguinte endereço eletrônico:
Mais informações: revistagarrafa@gmail.com                               

​Revista Literatura e Sociedade
A revista está aberta a propostas de publicação de artigos e ensaios nas áreas de teoria literária e literatura comparada. As submissões devem ser enviadas para o email revflt@usp.br. ​ ​Normas e demais informações: 

Revista RUA
As contribuições são recebidas em fluxo contínuo e os trabalhos aprovados são publicados nas edições seguintes à avaliação final. A revista Rua se propõe a criar condições para um debate multi e interdisciplinar, sustentado pela reflexão sobre a linguagem, divulgando artigos acadêmicos e produções artísticas que busquem compreender o espaço urbano como objeto de estudo. É uma publicação que reúne obras que tratem de práticas da cidade a partir das dimensões do simbólico e do político em uma relação entre o saber urbano e a linguagem com o objetivo de refletir sobre o espaço urbano concebido como espaço de significação, propiciando um diálogo entre diferentes áreas do conhecimento. Lançada em 1995, publicou 13 números com periodicidade anual e, a partir de 2008, com sua migração para formato eletrônico, passou a ser uma publicação semestral. É dividida em 3 seções: Estudos, com artigos acadêmicos; Artes, com manifestações artísticas de diversas naturezas; Notícias e Resenhas, com as notícias das atividades desenvolvidas pelo Laboratório de Estudo Urbanos (Labeurb/Nudecri/Unicamp), responsável por sua editoração, e resenha de obras interessantes para as diversas áreas do conhecimento. Atualmente é avaliada no estrato B1 no Qualis/Capes.
Mais informações: http://www.labeurb.unicamp.br/rua
                 
Revista Policromias/MN/UFRJ
Chamada para o vol. 4. As publicações serão realizadas em sistema de fluxo contínuo e o volume publicado até Dezembro de 2017.
Mais informações: