Atividades

2018

***


 VII colóquio internacional sobre literatura brasileira contemporânea

Contrabandos literários,
resistências epistêmicas

7 a 18 de Dezembro, Universidade de Copenhague, Dinamarca

Coordenação
Georg Wink (Universidade de Copenhague)
Regina Dalcastagnè (Universidade de Brasília)

Comissão executiva
Georg Wink (Universidade de Copenhague)
Ana Vera (Universidade de Copenhague)
Allane Pedrotti (Universidade de Copenhague/PUC-Rio)

Comissão científica
Ângela Maria Dias (Universidade Federal Fluminense), Claire Williams (St. Peter’s College, Universidade de Oxford), Florencia Garramuño (Universidade de Buenos Aires), Horst Nitschack (Universidade do Chile), José Henrique Freitas (Universidade Federal da Bahia), José Leonardo Tonus (Universidade Paris-Sorbonne), Leila Lehnen (Universidade do Novo México), Maria del Carmen Villarino Pardo (Universidade de Santiago de Compostela), Rebecca Atencio (Universidade Tulane), Rita Terezinha Schmidt (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), Roberto Vecchi (Universidade de Bolonha), Sophia Beal (Universidade de Minnesota),  Susanne Klengel (Universidade Livre de Berlim) 
A literatura brasileira contemporânea é heterogênea e de difícil delimitação – o que não impede a existência de uma divisão entre a produção considerada “legítima” e aquilo que costuma ser chamado de “subliteratura”. Subsistem, aí, zonas circum-navegadas e terras ignotas. Obras não tradicionais são rotuladas como literatura de massa, pulp fiction, literatura de banca, literatura de celebridades, escrita de blog, literatura erótica, RPG, literatura espírita, quadrinhos, literatura de autoajuda e expressões orais, como o repente, o rap e os saraus, entre outros formatos. Via de regra, ainda não são aceitas, de fato, ou até recusadas pelo campo editorial, pela crítica e pelo próprio leitor, apesar de terem pontualmente chamado a atenção do público e da academia. A discriminação se faz menos com base na própria escrita destas obras, do que a partir da condição social daquele que produz ou que consome determinadas expressões artísticas.
Este VII Colóquio Internacional sobre Literatura Brasileira Contemporânea, focado nos “contrabandos literários e resistências epistêmicas”, pretende abordar algumas destas expressões literárias “desautorizadas” em relação às estratégias de criação, circulação e recepção da literatura, pensando ainda suas várias funções sociais e artísticas. Pretende-se tentar captar tanto fenômenos do campo – ou subcampo – literário brasileiro quanto estratégias no interior das obras consideradas subliterárias.
O colóquio – que reunirá pesquisadores de diversas instituições acadêmicas da América Latina, América do Norte e Europa – é resultado dos diálogos já estabelecidos entre estudiosos de literatura brasileira contemporânea de diferentes universidades do Brasil e do exterior e marca a consolidação da cooperação entre essas instituições. As diferentes procedências dos participantes apontam, também, as diferentes perspectivas teóricas e metodológicas que estarão em debate no encontro, que abrangerão desde redefinições teóricas, necessárias para a análise de obras ainda pouco estudadas, até estudos pontuais e pioneiros sobre textos e autores específicos, incluindo ainda interpretações sobre contextos culturais e sociais. Todos os trabalhos trarão como preocupação central o fazer subliterário no Brasil contemporâneo, tendo como recorte cronológico as obras produzidas a partir de 2000.




Programação


DIA 17 DE DEZEMBRO – SEGUNDA-FEIRA
Universidade de Copenhague, Njalsgade 136, Edifício 27, Sala 9
9h – Recepção dos participantes e abertura do Colóquio
9h30 às 11h – MESA 1
A superfície das coisas: objetos e memória na literatura brasileira contemporânea
Regina Dalcastagnè (Universidade de Brasília)
Do objeto-sujeito ao sujeito-objeto: a representação do refugiado na produção artística contemporânea
Leonardo Tonus (Universidade Paris-Sorbonne)
O Império contra-ataca: representações da experiência de emigrantes brasileiros no exterior
Claire Williams (St. Peter’s College, Universidade de Oxford)
Mediação: Ricardo Barberena
INTERVALO
11h30 às 13h – MESA 2
Cartas à uma brasileira: sobre as palavras de Françoise Ega à Carolina Maria de Jesus
Maria-Clara Machado (Universidade Paris III/Universidade de Brasília) e Vinicius Gonçalves Carneiro (Universidade de Lille)
A cidade não é uma só: a ressignificação da periferia em De passagem mas não a passeio e Estação terminal
Sandra Assunção (Universidade Paris Nanterre)
Autopublicação e contra-hegemonia
Sophia Beal (Universidade de Minnesota)
Mediação: Lúcia Osana Zolin
ALMOÇO
14h às 15h30 – MESA 3
Entre o registro documental e a narrativa como arte: as memórias “não literárias” de Licídio Lopes
Igor Ximenes Graciano (Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira)
Nação Zumbi: resistência ou regressão?
Jeremy Lehnen (Universidade do Novo México)
Afrofuturismo: caminhos para uma literatura afrocentrada
Waldson Souza (mestrando em Literatura – Universidade de Brasília)
Mediação: Leila Lehnen
INTERVALO
16h às 17h30 - MESA 4
Apresentação dos pôsteres
Mediação: M. Carmen Villarino Pardo

18h30 às 20h – MESA DE ESCRITORES
Associação Dinamarquesa de Escritores, Strandgade 6 (veja mapa abaixo)
Andrea Nunes e Fábio Fernandes
Mediação: Leonardo Tonus
Recepção (Cortesia da Embaixada do Brasil em Copenhague)

DIA 18 DE DEZEMBRO – TERÇA-FEIRA
Universidade de Copenhague, Njalsgade 136, Edifício 27, Sala 9
9h às 10h30 – MESA 5
Fronteiras culturais e linguísticas: sobre o rap guarani
Pedro Mandagará (Universidade de Brasília)
O pós-humano e o transhumanismo na poética do Ciberpajé Edgar Franco
Paulo C. Thomaz (Universidade de Brasília)
Sessão: o entre-lugar da política e poesia
Leila Lehnen (Universidade do Novo México)
Mediação: Sandra Assunção
INTERVALO
11h às 12h30 – MESA 6
Resistência(s) e invisibilidade(s) nas dinâmicas dos campos literário e editorial: agenciamento literário no Brasil contemporâneo
M. Carmen Villarino Pardo (Universidade de Santiago de Compostela)
Entre o esplendor e a elegância: algumas considerações sobre a ficção de gênero na literatura brasileira contemporânea
Milton Colonetti

Detetive, leitor e crítico: mistérios no campo literário brasileiro contemporâneo
Patrícia Trindade Nakagome (Universidade de Brasília)
Mediação: Anderson Luís Nunes da Mata
ALMOÇO
13h30 às 15h00 – MESA 7
Onde estão os leitores?: redes sociais, literatura para jovens LGBT e a sobrevivência da leitura
Anderson Luís Nunes da Mata (Universidade de Brasília)
Um olhar sobre os afetos e as identidades: literatura brasileira contemporânea e homossexualidade feminina
Virgínia Mª Vasconcelos Leal (Universidade de Brasília)
Mulherio das Letras: escrever, resistir, existir
Lúcia Osana Zolin (Universidade Estadual de Maringá)
Mediação: Jeremy Lehnen
INTERVALO
15h30 às 16h30 – MESA 8
Entre vários campos: a obra de Fábio Moon e Gabriel Bá enquanto HQ e literatura, brasileira e internacional
Marcel Vejmelka (Universidade Johannes Gutenberg, Mainz/Germersheim)

Contrabandos de um jumento sedutor
Ricardo Barberena (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul)
Mediação: Milton Colonetti
INTERVALO
17h00 às 18h00 – Reunião de trabalho

19h30 JANTAR
[local a ser definido]
PÔSTERES
Saraus na periferia: literatura e identidades
Anderson Matias (doutorando em Literatura na Universidade de Brasília)

Crítica e liberdade: por uma leitura de criança para a literatura infantil
Bianca Rodrigues Cabral (mestranda em Literatura na Universidade de Brasília)


Autoficção e internet: resistindo à tradição         

Bruna Santos Pereira (mestranda em Literatura na Universidade de Brasília)

As antologias de textos homoeróticos no Brasil do século XXI: autoridades e discriminações homodissidentes
Daniel Amarelo Montero (graduando na Faculdade de Filologia da Universidade de Santiago de Compostela)

O Sul de Veronica Stigger, ou sobre a inespecificidade na estética contemporânea
Débora Lucas Duarte (mestranda em Literatura na Universidade de Brasília)

De leitor a autor: a produção literária de jovens no espaço escolar
Gleiser Mateus Ferreira Valério (doutorando em Literatura na Universidade de Brasília)

A circulação da literatura brasileira contemporânea na Espanha: o caso da revista 2384
Helena González Doval e Marta Carro Pérez (graduandas na Faculdade de Filologia da Universidade de Santiago de Compostela)

Sobre magos, zumbis, unicórnios e bissexuais
Isadora Maria Santos Dias (mestranda em Literatura na Universidade de Brasília)

“I write as if to save somebody’s life”: feminicide and the undeserving subject in contemporary Brazilian literature
Joana Perrone (mestranda em literatura na Universidade de Oxford)

Os anos de chumbo em retrospectiva: figurações da ditadura no romance brasileiro contemporâneo
João Pedro Coleta da Silva (mestrando em Literatura na Universidade de Brasília)

Elvis & Madona: a subversão em múltiplas perspectivas
Pollianna de Fátima Santos Freire (doutoranda em Literatura na Universidade de Brasília)


Organização:

 

Apoio:



Embassy of Brazil in Copenhagen


***

Curso de extensão: O Golpe de 2016 e a Literatura

O Brasil, pós-golpe parlamentar de 2016, aprofunda um processo que Walter Benjamin e Giorgio Agamben, dentre outros, chamaram de "estado de exceção". Neste longo processo, que passa pelas manifestações de 2013, pelos protestos contra a Copa em 2014 e pela crise política permanente desde 2015, novas expressões literárias e discursivas surgiram no cenário brasileiro, permitindo uma reflexão artística aguda sobre o presente. Este curso de extensão irá refletir sobre esta nova produção cultural e literária à luz dos processos históricos que levaram ao panorama contemporâneo de crise permanente.

O curso é organizado em onze encontros independentes, de duas horas cada, totalizando 22 horas. Para a emissão de certificado é necessária a presença em 75% dos encontros. O curso é uma promoção do Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea e do Departamento de Teoria Literária e Literaturas da UnB. As inscrições serão feitas pelo email golpe2016literatura@gmail.com, limitadas a 90 vagas.

Curso de extensão: O Golpe de 2016 e a Literatura
Organização: Pedro Mandagará (TEL-UnB)
Promoção:
Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea
Departamento de Teoria Literária e Literaturas
Duração: 22 horas
Local: Auditório do IL (ICC Sul, subsolo)
Horário: segundas-feiras, das 16 às 18
Inscrições: golpe2016literatura@gmail.com

Cronograma de aulas:
23/04 Luís Felipe Miguel (IPOL-UnB)
14/05 Embaixador Tadeu Valadares
21/05 Caroline Bauer (UFRGS)
28/05 Regina Dalcastagnè (TEL-UnB)
11/06 André Luís Gomes (TEL-UnB)
25/06 William Alves Bizerra (TEL-UnB)
13/08 Julia Braga Neves (LET-UnB)
27/08 Alexandre Pilati (TEL-UnB)
10/09 Augusto Rodrigues (TEL-UnB)
24/09 Calila das Mercês (POSLIT-UnB)
01/10 Mara Coradello (escritora)

***





***
Literatura indígena: conceito, produção e crítica


Grupo de leituras 2018/1
Local: UnB, Laboratório 3 do Módulo 5
Horário: das 15 às 17, às sextas-feiras.

27/04 Início do grupo. Leitura: COMPAGNON, Antoine. O mundo. In: O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

11/05 DALCASTAGNÈ, Regina. Uma voz ao sol: representação e legitimidade na narrativa brasileira contemporânea. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 20, p. 33-77, 2002.

25/05 GRAÚNA, Graça. Contrapontos da literatura indígena contemporânea no Brasil. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2013.

01/06 POPYGUA, Timóteo da Silva Verá. A terra uma só. Hedra, 2017.

15/06 CESARINO, Pedro. Wenía: o surgimento dos antepassados – Leitura e tradução de um canto narrativo ameríndio (Marubo, Amazônia Ocidental). Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 53, p. 45-99, jan-abril 2018.

29/06 FIOROTTI, Devair. Taren, eren e panton: poetnicidade oral Macuxi. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 53, p. 101-127, jan-abril 2018.


06/07 FRANCHETTO, Bruna. Traduzindo tolo: “eu canto o que ela cantou que ele disse que...” ou “quando cantamos somos todas hipermulheres”. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n. 53, p. 23-43, jan-abril 2018

***